Geração Adiada

Estávamos à mesa da cozinha a jantar, jantamos sempre na cozinha – pequena, funcional e acolhedora. Há dois jovens à mesa, estudantes, uma universitária outro pré, ela estuda engenharia ainda com pouca convicção, ele, será certamente um engenheiro brilhante. A reportagem avança, a rubrica auto-denomina-se por Grande Reportagem e o tema sugere, Geração Adiada, não é à rasca, não é dos 500, é adiada. Entendi imediatamente que este Adiar, é o de fazer amanhã aquilo que é de todo impossível fazer hoje, e só por isso já dói. Começam os relatos de jovens, jovens com mais 10 anos do que a minha filha mais velha, e que percebi se sentiu próxima sem contudo alcançar que estava num mesmo barco que eles – o Barco do Terror.

Ainda só está disponível o link do anúncio da reportagem que fica aqui. Será substituído pelo da reportagem integral quando a mesma chegar à Internet.

Mas o silêncio foi-se instalando à mesa à medida que os relatos avançavam, entrecortado no entanto com o meu rosnar de asneirões, imediatamente contrariado pelos presentes que detestam ouvir-me asnear, assim que passou o sketch desse energúmeno Relvas a dizer que, esta era a geração da mobilidade, e quando questionado o Secretário de Estado da Juventude sobre o que é que Portugal tem para oferecer aos jovens, respondeu: esperança. Estes cabrões nem sequer conseguem dizer outra coisa, agarram-se à maravilhosa palavra da língua portuguesa Esperança, para enfeitarem o Inferno, que é a sopa fria que nos servem numa taça de aço inoxidável.

E hoje já sei que vou dormir mal pronto, na verdade já ontem dormi, voltei a ter o estupor do frigorífico a arrotar de noite e eu, levantada, lívida de olhos achinesados de sono a calá-lo ao chapadão.

A reportagem, melhor, o artigo produzido pela TVI, é realmente muito bom.

Anúncios

4 thoughts on “Geração Adiada

  1. Também vi a reportagem Luisa. Também me enervou aquela conversa mole, política, sem conteúdo do Senhor Secretário de Estado da Juventude. Com o seu ar distante e de pessoa bem sucedida a quem o desemprego não acontece. Também eu fiquei amargurada com aquelas vidas interrompidas, sem esperança. Por aquele partir para tão longe. Sem emprego. Só à procura da dignidade de vida que só a independência pode dar.
    Eu dormi bem mas só por ter o sono atrasado da noitada do rock in rio.

Diga-me...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s