A insustentável Violência Doméstica

Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher

Em Portugal, por cada hora que passa são feitas, no mínimo, três denúncias de violência doméstica.

Violência física:

– Bofetadas
– Puxar
– Empurrar
– Esmurrar
– Beliscar/picar
– Morder
– Arranhar
– Deitar ao chão
– Socos, pontapés
– Cuspir
– Bater com um objecto
– Agredir com armas ou objectos (pau, régua, cinto, chicote, faca, etc.)

Violência psicológica:

– Ameaçar bater
– Ameaçar fazer mal às crianças, animais, etc.
– Ameaçar usar uma arma
– Ameaçar matar-se
– Partir objectos, destruir bens pessoais
– Dar murros nas paredes
– Bater com as portas
– Perseguir (telefonemas incessantes, e-mails ou mensagens ameaçadores, fazer esperas)

Violência emocional:

– Criticar pensamentos, sentimentos, opiniões e acções
– Interromper quando está a comer, a falar, etc.
– Culpar de tudo o que corre mal
– Deitar abaixo devido a defeitos físicos
– Perseguir no contexto do emprego, família ou amigo/as
– Ter atitudes de extremo ciúme (acusa-a de ter amantes, de andar a enganar)
– Controlar as conversar telefónicas, os quilómetros do carro
– Proibir de usar o telefone, de ver amigas/os
– Não deixar sair de casa
– Forçar a fazer coisas degradantes (por exemplo: ajoelhar-se)
– Insultar pessoas de quem gosta, amigas/os ou família
– Tratar como se fosse uma empregada
– Não considerar a sua opinião nas decisões da família

Violência verbal:

– Insultar, chamar nomes
– Fazer comentários cruéis
– Berrar

Violência económica:

– Tirar o dinheiro (ordenado, subsídios e pensões)
– Esconder a situação financeira do casal, negar o acesso à conta bancária
– Obrigar a pedir dinheiro e a prestar contas
– Controlar as despesas (o que comprou, quanto gastou, o uso do carro, o uso do telefone)

Violência sexual:

– Criticar (chamando-lhe “frígida”)
– Chamar de prostituta
– Toques não desejados
– Forçar a actos sexuais que não deseja
– Forçar a ter relações sexuais com outras pessoas
– Exigir sexo quando está doente, cansada ou depois de lhe ter batido
– Violação

Marcha pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Hoje, com início no Largo Camões, em Lisboa, pelas 17h, e resulta da organização da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, Movimento SlutWalk Lisboa e ComuniDária – Associação de Integração de Migrantes e Minorias Étnicas.

Porque vem a propósito reler, ‘Petiscar’ garotas

IV Plano Nacional Contra a Violência Doméstica
APAV
Formas de violência, tiradas daqui

2 thoughts on “A insustentável Violência Doméstica

Diga-me...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s