Minha Horta Meu Amor

Horteloa, permacultora, agricultora urbana, aprendiz de feiticeira, amante da terra, das plantas e das minhocas – Este é o espaço para falar da minha terra de 75 m2.

As últimas:

A 15 de Março de 2014

Parece que vou à televisão falar de hortas. Quando disse à minha mãe, que ainda hoje me acha uma estapafúrdia rapariga por andar a cultivar alfaces em Lisboa, para que na próxima Terça-feira, 18, me visse no programa Portugal no Coração que passa na RTP1, deu aquele estalido admirado com a língua, uma risada irónica e atirou-me com desdém um, «nunca imaginei ver uma filha a falar de hortas na televisão, ainda se fosse de outra coisa…».

Displaying 2014-03-15 20.31.07.jpg

a horta na mesa da cozinha

Displaying 2014-03-15 19.50.58.jpg

Displaying 2014-03-15 17.28.00.jpg

embevecida

Displaying 2014-03-15 17.30.28.jpg

Displaying 2014-03-15 13.12.18.jpg

Displaying 2014-03-15 17.27.09.jpg

A 10 de Março 2014

Nunca mais tinha escrito nada sobre o meu quinhão de terra. Continuo a trabalhá-lo por entre o meu cada vez mais escasso tempo sobrante das tarefas obrigatórias e da nova e maravilhosa vida que partilho com o V.  Aqueles bocadinhos de tempo que lá passo continuam a ser muito reconfortantes e o stress com a lagartagem, com a chuva ou com o calor desapareceram e essas coisas passaram a ter aceitação natural. Como em tudo, a experiência fez-me amadurecer na execução das tarefas o que me permite desfrutar a minha modesta produção com uma beatífica satisfação.

Displaying 2014-03-08 17.38.57.jpg

Displaying 2014-03-08 17.38.15.jpg

Displaying 2014-03-08 17.37.36.jpg

Displaying 2014-03-08 17.37.16.jpg

A 22 de Junho 2013:

Arranquei os alhos. Nunca tinha plantado alhos. Como a minha terra é maioritariamente argilosa, todos os tubérculos e bolbos têm imensa dificuldade em se desenvolver, devido ao aperto da terra quando seca. No entanto, estas cabecinhas de alho que ficaram miudinhas têm um sabor concentrado espantoso, são apimentadas e mal se chegam ao nariz deixam a pele em redor com um certo formigueiro.

alhos

A 9 de Junho 2013:

Plantei batatas. Tarefa difícil na abertura dos regos que deveriam ficar muito mais fundos do que eu os fiz, mas faltaram-me as forças. Cavar custa, puxa demasiado pelo lombro, pelas forças dos braços e dos ombros. Quando o faço não sou mulher, fico homem.

2013-06-09 14.20.53

2013-06-09 14.30.42

2013-06-09 14.31.06

A 18 de Maio de 2013:

Amo a minha couve

2013-05-18 20.47.11

Rúcula linda a crescer

2013-05-18 16.33.40

A 25 de Abril de 2013:

Na minha 4ª Classe comecei assim uma redacção sobre o fatídico tema – A Primavera: «Vestida de fresco de flores e de ternura chegou a Primavera!»

(parece que consegui um Muito Bom na dita composição e fui premiada com a leitura alto e no cimo do estrado para as restantes meninas ouvirem.)

pés de feijão verde

pés de feijão verde

2013-04-25 17.22.27

2013-04-25 17.42.20

2013-04-25 17.41.33

2013-04-25 17.42.46

A 16 de Fevereiro de 2013:

A horta está muitíssimo melhor preparada para a Primavera este ano. Não apostei tanto na variedade mas sim nos vegetais que não necessitem de consumo imediato, tal como a cebola e o alho e nos hortícolas de que faço grande consumo. Os morangueiros dão gosto, estão a ficar fracamente fortes. Este fim de semana fez-se uma sementeira de Primavera em estufa, plantas que irão futuramente ocupar as áreas que se desocupem de couves, favas e cebolas.

2013-02-16 16.16.36

2013-02-16 16.17.56

2013-02-16 16.18.50

2013-02-16 15.36.59

2013-02-16 16.12.55

A 9 de Fevereiro de 2013:

O Gaspar pôs o olho e a mão nos terrenos do Museu do Traje local do meu pequeno paraíso, do meu pequeno projecto. Em princípio, todos os hortelãos vão ter de abandonar as terras até ao dia 31 de Outubro de 2013. É um assunto que me está a deixar de tal modo agastada que mal consigo reagir. Este homem precisava de qualquer coisa no meio da testa.

2013-02-02 17.01.09

2013-02-02 16.56.18

2013-02-02 16.55.53

A 23 de Dezembro de 2012:

Cama para plantar cenouras e horta do Natal

2012-12-22 16.15.10

2012-12-22 16.15.43
2012-12-22 16.18.33
2012-12-22 16.16.40

A 2 de Dezembro de 2012:

Nesta época a horta está fria e muito sombria. A falta de sol no terreno, quase todo o dia, promove um lento desenvolvimento de todos os hortícolas. A reestruturação do terreno que fiz este ano parece-me ter contribuido para o melhorar imenso, tanto no aproveitamento do próprio terreno como na drenagem do mesmo.
Na preparação gastei, 4h do Srº João a 10€/h e 13 carrinhos de terriço a 2€/carro.
Vista do terreno após plantação do que trouxe da feira da Musgueira.

horta_02122012_1

horta_02122012_2

A 18 de Novembro de 2012:

A 30 de Setembro de 2012:

A 15 de Julho  de 2012:

A 10 de Julho de 2012

A 20 de Junho 2012

A 10 de Junho 2012

A minha vizinha Rosa, médica de profissão, com a sua produção de courgettes fálicas.

A 19 de Maio 2012

Arranquei o cebolinho. Que cheiro maravilhoso me deixou na terra.

A 11 de Maio 2012

Acabei de apanhar as favas e ervilhas. Lavrei novamente a terra para plantar os tomates, pimentos e feijão.
Também hoje plantei 5 pés de meloa e 4 pés de melão.

A 28 de Abril 2012

Tudo continua a crescer e a desenvolver-se a olhos vistos: muitas favas, ervilhas, lombardas, cebolas. Um encanto e muito trabalho.

A 5 de Abril 2012

A minha 1ª fava

Primeira fava

A 1 de Abril 2012

Comecei a ter um pequeno excesso de produção e sem mais nem porquê e porque as conversas são como as cerejas tive hoje a minha primeira cliente e ganhei pela primeira vez dinheiro com a minha produção hortícola.
3 €.
Há muito tempo não me sabia tão bem ganhar um dinheirito.
Vai ser guardado para juntar ao que venha pois, tal como a uma criança, cresceu-me imediatamente o sonho de deixar o banco e mudar de vida de uma vez por todas. Abalar daqui.
Na verdade estes 3 € não cobriram completamente o preço gasto na produção dos 2 sacos de legumes que entreguei à cliente e facilmente se percebe que o agricultor é mal pago por tanto que oferece.
Anyway, vou-me esmerar para aumentar a produção arranjar novos clientes (que suspeito venham a caminho), e aprender o muito que ainda não sei.

A 25 de Março de 2012

Planta da Beterraba

A 10 de Março de 2012

As últimas:

A 4 de Março de 2012

Às vezes, em dias de luz perfeita e exacta,
Em que as cousas têm toda a realidade que podem ter,
Pergunto a mim próprio devagar
Por que sequer atribuo eu
Beleza às cousas.
Uma flor acaso tem beleza?
Tem beleza acaso um fruto?
Não: têm cor e forma
E existência apenas.
A beleza é o nome de qualquer cousa que não existe
Que eu dou às cousas em troca do agrado que me dão.
Não significa nada.
Então por que digo eu das cousas: são belas?
Sim, mesmo a mim, que vivo só de viver,
Invisíveis, vêm ter comigo as mentiras dos homens
Perante as cousas,
Perante as cousas que simplesmente existem.
Que difícil ser próprio e não ver senão o visível!

Alberto Caeiro, in “O Guardador de Rebanhos

A 3 de Março de 2012

Poço com bolbos de Flores a nascer

Flor do bróculo

Favas em flor

Alho francês

Trazer para casa

17 pensamentos sobre “Minha Horta Meu Amor

Diga-me...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s